Algumas conclusões sobre os dados da pesquisa sobre perfil do ciclista de salvador

Os resultados da pesquisa divulgados ainda são preliminares, mas já é possível tirar algumas conclusões importantes.

Vale ressaltar que esta pesquisa não foi uma simples contagem de ciclistas, só foram entrevistadas pessoas que declararam usar a bike como meio de transporte pelo menos uma vez na semana, se tomou como base a população total e se aplicou os questionários em uma amostra distribuída pela cidade nos bairros do centro, zona intermediaria e periférica. Além disso seguimos diversos critérios como por exemplo, número mínimo de mulheres a serem entrevistadas, determinada quantidade de questionários foram aplicados onde tem ciclovia e outra quantidade onde não tem… e assim por diante. foi bem criteriosa e por isso  acredito que reflete bem a realidade.

A maioria é da classe menos favorecida, mas a classe média está crescendo.

Existe de fato muita gente pedalando pelas ruas de Salvador, mas a grande diferença em comparação com outras cidades pesquisadas é que aqui a classe menos favorecida e com menor grau de instrução é a maioria entre as pessoas que usam a bicicleta como meio de transporte pelo menso uma vez por semana. Cidades como Rio e SP onde a classe média tem maio representatividade neste meio tem conseguido mudanças mais significativas e duradouras na infraestrutura da cidade que priorizam as bicicletas. Quando o resultado completo da pesquisa for divulgado saberemos se e quanto a classe média tem crescido entre os ciclistas de Salvador, mas já posso adiantar que durante as pesquisas percebi que muitos dos ciclistas “novos” (que começaram a pedala a cerca de um ano) declararam receber mais de 4 salários mínimos. Vamos aguardar o resultado final para confirmar isto.

Os jovens não usam a bicicleta para ir a escola e isso precisa mudar

Outra coisa importante que observei é que somente 14,2% das pessoas entrevistadas tinham menos de 25 anos, isso mostra que pouquíssimos jovens vão para as escolas e faculdades de bicicleta. Está é uma prática que precisa ser incentivada.

Os ciclistas interagem pouco com outros meios de transporte

Somente 11,3% afirmaram utilizar a bicicleta em combinação com outro meio de transporte. Isso é gravíssimo em uma cidade “relativamente grande” como Salvador pois as pessoas que iniciam comumente pedalam entre 5 e 7 km. Então sair de casa pedalando até uma estação de ônibus como a Lapa, tendo local seguro para estacionar a bike, e poder seguir o restante da viagem de ônibus é um exemplo de solução que poderia levar muitas pessoas a complementar os seus trajetos de bike.

A mulheres ainda pedalam muito pouco

Um forte indicador da segurança para se pedalar em uma cidade é a quantidade de mulheres que usam a bicicleta como meio de transporte. O número que vou citar ainda não é o oficial da pesquisa, mas eu pude observar durante a aplicação dos questionários um número muito inferior de mulheres pedalando, eu diria que as mulheres representam menos de 5% do total. Isso indica que é necessário se pensar urgentemente em formas de tornar as ruas mais seguras para se pedalar e em políticas de incentivo especialmente voltado para o público feminino.

Anúncios

O Bike Anjo Salvador vistoria 40 estações de compartilhamento de bikes da cidade e o trabalho continua…

Durante os meses de agosto e setembro de 2015 o Bike Anjo Salvador visitou as 40 estações de compartilhamento de bicicletas da cidade com o objetivo de avaliar a eficiência e o aproveitamento do sistema. Este trabalho gerou um relatório que poderá auxiliar no processo de melhoria contínua tornando a cidade mais receptiva para o ciclismo urbano. Este trabalho será continuado nos próximos 4 meses com o objetivo de acompanhar a evolução do quadro.

A maior ocorrência de problemas detectados nas bicicletas foi no quesito de acessórios, com a ausência (ou danos) de espelhos e campainhas e  problemas de higiene. Nas estações o problema mais frequente foi a incompatibilidade do número real de bicicletas com o informado pelo aplicativo (smartphone ou site).

Este trabalho conta com ajuda de custo fornecida pelo Itaú e apoio da Prefeitura através do Movimento Salvador Vai de Bike que irá levar os problemas levantados até empresa responsável pela manutenção da infra-estrutura e sistema das bicicletas compartilhadas.

Sobre a EBA de ontem (28-09-2015)

Ontem o Bike Anjo Salvador realizou, com o apoio da Prefeitura através da equipe do Movimento Salvador Vai de Bike e com patrocínio do Itaú uma EBA! Escola Bike Anjo no Farol da Barra. A EBA! é uma escola para crianças e adultos que desejam aprender a pedalar para mais informações fale conosco.

Depoimento de Fernanda

Mais imagens e depoimentos

Fotos

Clique na imagem para ver o álbum
Clique na imagem para ver o álbum

Imagens e depoimento sobre o Pedal Bê-á-Bá realizado em 27-09-2015

Na manhã do último domingo o Bike Anjo Salvador realizou, com o apoio da Prefeitura através da equipe do Movimento Salvador Vai de Bike e com patrocínio do Itaú a segunda edição do Pedal Bê-á-Bá (BAB) que é um passeio de bicicleta para iniciantes com dicas sobre o uso da bicicleta e sobre segurança ao se pedalar no trânsito. O BAB acontece no último domingo do mês no Farol da Barra das 9h às 12h, para mais informações fale conosco.

Depoimento de Manuela (Aluna) sobre o BAB.

Fotos

Clique na imagem para ver o álbum
Clique na imagem para ver o álbum

Pesquisa onde o Bike Anjo esteve envolvido foi a matéria principal do Jornal A Tarde de hoje (25-09-2015)

A pesquisa “Perfil do Ciclista Brasileiro”, realizada através de esforço conjunto de dez organizações que atuam na promoção da bicicleta, foi o foco da principal matéria do Jornal A Tarde de hoje. O Bike Anjo foi responsável pela aplicação dos questionários em Salvador. O resultado preliminar da pesquisa foi divulgado ontem sendo possível perceber importantes necessidades de quem pedala na cidade. O resultado completo sairá em novembro, contendo mais dados e comparações ente as 10 cidades pesquisadas. Pode ser vista abaixo a imagem do jornal impresso ou aqui a versão on-line.

Clique na imagem para ampliar.
Clique na imagem para ampliar.

Pesquisa inédita mostra o perfil do ciclista de Salvador e de mais 9 cidades brasileiras

11878937_908876152525131_7854899089952304391_o
Foto: Daniel Bagdeve

Quem são as pessoas que utilizam a bicicleta como meio de transporte? Quantos dias da semana elas pedalam? O que as fazem pedalar mais? Quais as suas dificuldades? Essas são perguntas que estão sendo respondidas pela pesquisa inédita “Perfil do Ciclista Brasileiro”, um esforço conjunto de dez organizações que atuam na promoção da bicicleta, dentre as quais se destacam a Transporte Ativo e o Observatório das Metrópoles.

O Bike Anjo foi as ruas de Salvador no mês de agosto e abordou usuários de bicicletas que as utilizam como meio de transporte pelo menos uma vez por semana. O mesmo foi feito por outras entidades em mais 9 cidades brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, Brasília, Manaus, Aracaju e Niterói.

Os resultados preliminares do levantamento mostram uma maior concentração de ciclistas na faixa etária de 35 a 44 anos (29,7%), seguida pelo grupo de 25 a 34 anos (27,1%).

gráfico_idade

As pessoas que pedalam os sete dias da semana compõem a maioria: 36,8%, seguida pelas pessoas que usam a bicicleta 5 dias por semana com 23,5%. Estes dois grupos somados chegam a 60,3%.

Homens apresentam propensão maior para pedalar mais dias por semana: 30%* dos homens disseram utilizar a bicicleta todos os dias da semana; enquanto entre as mulheres, esse percentual atingiu apenas 18,7%*.

grafico_dias

Chama a atenção o baixo número de pessoas que realizam a integração entre a bicicleta e outro meio de transporte. Apenas 11,3% dos entrevistados disseram realizar algum tipo de integração com outro meio.

grafico_intermodal

Entre os entrevistados predominam pessoas com renda entre 1 e 2 salários mínimos (entre R$ 788,00 a R$ 1.576,00) com 35%, seguido das pessoas que ganham até 1 salário mínimo com 20,8%. Isso significa que mais da metade das pessoas entrevistadas – e que usam a bicicleta como meio de transporte – ganham até 3 salários mínimos (R$ 2.364,00). Se somados com os que declararam não ter nenhuma renda (8,2%) este percentual sobe para 64% dos entrevistados.

grafico_salário

A pesquisa também revela que 21,3% das pessoas disseram ter sofrido algum acidente de bicicleta nos últimos 3 anos.

grafico_acidente

As pessoas com o ensino médio representam quase a metade dos entrevistados com 46,8%, seguido das pessoas que completaram o ensino fundamental com 28,8%.

grafico_escolaridade

Mais da metade das pessoas levam entre 10 e 30 minutos para percorrer o seu trajeto mais frequente (56,3%).

grafico_tempo

LANÇAMENTO

Os resultados finais da pesquisa “Perfil do Ciclista Brasileiro” serão divulgados em um seminário nacional no Rio de Janeiro na última semana de novembro. O encontro contará com a participação de membros de todas as organizações envolvidas, que utilizarão os dados da pesquisa para mostrar os resultados de cada cidade.

Para ver os resultados preliminares gerais (englobando às 10 cidades pesquisadas) clique aqui.

*dado referente a todas as cidades pesquisadas ainda sem o filtro para Salvador.

Bike Anjo participa em Camaçari no Dia Mundial Sem Carro de evento realizado pela prefeitura.

Nós estivemos hoje (Dia Mundial sem Carro) no evento promovido pela Prefeitura de Camaçari, com caminhada, apresentação teatral de alunos de escola pública, palestra da SAMU e várias outras atividades relacionadas a mobilidade sem carro. Uma dessas atividades foi a nossa palestra onde falamos sobre o Bike Anjo e abordamos temas com o objetivo de sensibilizar as pessoas para os benefícios trazidos pelo uso da bicicleta como meio de transporte para toda a cidade, mesmo para quem não pedala.

Clique na imagem para abrir o álbum
Clique na imagem para abrir o álbum